quinta-feira, 8 de dezembro de 2016


O Grande Manancial
 
Meus amigos, Deus vos conceda muita paz.
O Espiritismo abre hoje a sua porta de esperança e de fé para todas as criaturas.
Não são poucos os que se sentem seduzidos pelas suas claridades maravilhosas, todavia, não duvideis de que a consolidação de uma crença está subordinada a uns tantos fenômenos íntimos que somente o coração de cada um pode testemunhar.
A Doutrina Consoladora dos Espíritos procura levar a todos os estudiosos a centelha de suas luzes divinas, seja elucidando o caminho complicado da ciência do século, seja esclarecendo os mais complexos problemas filosóficos.
Entretanto, uma pequena percentagem de investigadores pode compreender a sua grandeza.
Habituados às equações algébricas os espíritos cientificistas da época não lhe percebem a modalidade moral e religiosa, dentro de suas expressões consoladoras.
As mais extravagantes teorias são inventadas para reduzi-la a um mero sistema de hipóteses, à maneira da ciência humana que se transforma todos os dias, na suas feições transitórias.
O subconsciente, a ilusão, os fenômenos alucinatórios são chamados para a eliminação de suas verdades e é daí que chegamos à conclusão de que o Espiritismo só pode ser aceito pela mentalidade individual, depois de profundamente sentido.
A sua doutrina pode ser estudada em todas as suas minúcias e no caminho das melhores experiências, todavia somente o coração que já experimentou esses grandes momentos da vida, poderá interpretar-lhe a magnitude.
Aproximai-vos, assim, desse grande manancial, convictos de que a sua água cristalina de verdades eternas pode saciar-vos a sede de amor, de consolação e de conhecimento.
Estudai e aprendei.
A curiosidade e a duvida são os pródromos de toda sabedoria, porém, nesse vasto caminho de revelações do Infinito, há necessidade de muito sentimento para a compreensão grandiosa das grandes verdades da vida.
Que guardeis em vossos corações esse elevado propósito, é o desejo sincero e a suplica a Jesus do amigo humilde.
 
(Pagina recebida em Pedro Leopoldo, Minas, 22.08.1938)
 
Emmanuel, do livro Luz no Caminho, psicografia de Chico Xavier.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016


Dever e Caridade

 

Partilhar o conteúdo de nossa bolsa com o irmão necessitado é dever, mas dar-lhe trabalho digno, sem afetação de superioridade e sem exigência, para que ele se faça um servidor da vida tão digno quanto nós é caridade.

Dar o pano o que sobra em nosso guarda-roupa é dever, mas vestir o próximo de novas ideias, através dos nossos bons exemplos é caridade.

Praticar a generosidade com os nossos amigos e afeiçoados é dever, mas exercer a gentileza e a tolerância com os adversários de nossos pontos de vista é caridade.

Ceder o pão que excede em nossa mesa é dever, mas fazer de nossa existência um estímulo incessante ao bem para quantos nos rodeiam é caridade.

Praticar a benemerência e a delicadeza, por intermédio de mensageiros da nossa amizade aos nossos irmãos que necessitam e sofrem é dever, mas, seguir ao encontro dos nossos companheiros de luta, com o nosso esforço pessoal na plantação da alegria ou do reconforto é caridade.

Criar planos de serviço para quem nos acompanha no roteiro de cada dia é dever, mas, trabalhar nós mesmos com o nosso suor e com as nossas mãos é caridade.

Não nos contentemos com o ensinar o bem.

Isso é simples obrigação de nossa inteligência.

Façamos o bem cada instante e em cada passo de nosso caminho, porque, desse modo, estaremos realmente assinalados como discípulos do Benfeitor Divino que, por devotar-se à caridade, foi sentenciado à flagelação e à cruz, nas quais consagrou o amor como norma de felicidade e ressurreição para a Humanidade inteira.

 

Emmanuel

terça-feira, 6 de dezembro de 2016


O culto cristão no lar
         
Povoara-se o firmamento de estrelas, dentro da noite prateada de luar, quando o Senhor, instalado provisoriamente em casa de Pedro, tomou os Sagrados Escritos e, como se quisesse imprimir novo rumo à conversação que se fizera improdutiva e menos edificante, falou com bondade:
— Simão, que faz o pescador quando se dirige para o mercado com os frutos de cada dia?
O apóstolo pensou alguns momentos e respondeu, hesitante:
— Mestre, naturalmente, escolhemos os peixes melhores. Ninguém compra os resíduos da pesca.
Jesus sorriu e perguntou, de novo:
- E o oleiro? que faz para atender à tarefa a que se propõe?
- Certamente, Senhor — redarguiu o pescador, intrigado —, modela o barro, imprimindo-lhe a forma que deseja.
O Amigo Celeste, de olhar compassivo e fulgurante, insistiu:
— E como procede o carpinteiro para alcançar o trabalho que pretende?
O interlocutor, muito simples, informou sem vacilar:
— Lavrará a madeira, usará a enxó e o serrote, o martelo e o formão. De outro modo, não aperfeiçoará a peça bruta.
Calou-se Jesus, por alguns instantes, e aduziu:
— Assim, também, é o lar diante do mundo. O berço doméstico é a primeira escola e o primeiro templo da alma. A casa do homem é a legítima exportadora de caracteres para a vida comum. Se o negociante seleciona a mercadoria, se o marceneiro não consegue fazer um barco sem afeiçoar a madeira aos seus propósitos, como esperar uma comunidade segura e tranqüila sem que o lar se aperfeiçoe? A paz do mundo começa sob as telhas a que nos acolhemos. Se não aprendemos a viver em paz, entre quatro paredes, como aguardar a harmonia das nações? Se nos não habituamos a amar o irmão mais próximo, associado à nossa luta de cada dia, como respeitar o Eterno Pai que nos parece distante?
Jesus relanceou o olhar pela sala modesta, fez pequeno intervalo e continuou:
— Pedro, acendamos aqui, em torno de quantos nos procuram a assistência fraterna, uma claridade nova. A mesa de tua casa é o lar de teu pão. Nela, recebes do Senhor o alimento para cada dia. Por que não instalar, ao redor dela, a sementeira da felicidade e da paz na conversação e no pensamento? O Pai, que nos dá o trigo para o celeiro, através do solo, envia-nos a luz através do Céu. Se a claridade é a expansão dos raios que a constituem, a fartura começa no grão. Em razão disso, o Evangelho não foi iniciado sobre a multidão, mas, sim, no singelo domicilio dos pastores e dos animais.
Simão Pedro fitou no Mestre os olhos humildes e lúcidos e, como não encontrasse palavras adequadas para explicar-se, murmurou, tímido:
— Mestre, seja feito como desejas.
Então Jesus, convidando os familiares do apóstolo à palestra edificante e à meditação elevada, desenrolou os escritos da sabedoria e abriu, na Terra, o primeiro culto cristão do lar.
 
JESUS NO LAR
 
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
DITADO PELO ESPÍRITO NEIO LÚCIO

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016


O homem que ajuda por vaidade e ostentação, quase sempre, em pouco tempo, cria para si mesmo o hábito de auxiliar, atingindo sublimes virtudes. Aquele, porém, que muito fiscaliza os beneficiados e raciocina com excesso quanto ao “dar” e ao “não dar” converte-se, não raro, em calculista da piedade, a endurecer o coração por séculos numerosos.

Livro Alvorada Cristã

 

Quem conquistou o dom de ajudar, sem pedir remuneração, penetrou o caminho de acesso efetivo á Espiritualidade Superior.

Abel Gomes - Livro Falando à Terra

 

Estende a mão ao que ri e ao que chora:

O palácio e a choupana, o ninho e a sepultura,

Tudo o que vibra espera a luz que resplendora,

Na eterna lei de amor que consagra a criatura.

 

Planta a benção da paz, como raios de aurora

Nas trevas do ladrão, na dor da alma perjura,

Irradia o perdão e atende mundo afora,

Onde clame a revolta e onde exista a amargura.

 

Agora, hoje e amanhã, compreende, ajuda e passa;

Esclarece a alegria e consola a desgraça,

Guarda o anseio do bem que é lume peregrino...

 

Não troques mal por mal, foge á sombra e á vingança,

Não te aflija a miséria, arrima-te á esperança.

Seja a benção de amor a luz do teu destino.

Alberto de Oliveira - Livro Parnaso de Além-Túmulo

 

ALCOÓLATRA

O alcoólatra não é apenas o destruidor de si mesmo. É o perigoso instrumento das trevas, ponte viva para as forças arrasadoras da lama abismal.

O incêndio que provoca desolação aparece numa chispa.

O alcoolismo que carreia a miséria nasce num copinho.

Joaquim Dias

 

ALEGRIA

A alegria também, quando excessiva, costuma castigar o coração.

Livro Nosso Lar

 

ALIMENTAÇÃO

Tudo se equilibra no amor infinito de Deus, e, quanto mais evolvido o ser criado, mais sutil o processo de alimentação.

Livro Nosso Lar

 

ALIMENTOS

O homem encarnado saberá, mais tarde, que a conversação amiga, o gesto afetuoso, a bondade recíproca, a confiança mutua, a luz da compreensão, o interesse fraternal – patrimônios que se derivam naturalmente do amor profundo – constituem sólidos alimentos para a vida em si.

André Luiz – Livro Nosso Lar

 

ALLAN KARDEC

A ação de Bonaparte, invadindo as searas alheias com o seu movimento de transformação e conquista, fugindo á finalidade de missionário da reorganização do povo francês compeliu o mundo espiritual a tomar enérgica providencias contra o seu despotismo e vaidade orgulhosa. Aproximavam-se os tempos em que Jesus deveria enviar ao mundo o Consolador, de acordo com as suas auspiciosas promessas.

Apelos ardente são dirigidos ao Divino Mestre, pelos gênios que se reúnem e confraternizam nos espaços nas esferas mais próximas da terra. Um dos mais lúcidos discípulos do Cristo baixa ao planeta, compenetrado de sua missão consoladora e, dois meses antes de Napoleão Bonaparte sagrar-se imperador, obrigando o papa Pio VII a coroá-lo na igreja de Notre Dame, em Paris, nascia Allan Kardec, aos 3 de outubro de 1804, com a sagrada missão de abrir caminho ao Espiritismo, a grande voz do Consolador prometido ao mundo pela misericórdia de Jesus-Cristo.

Livro A Caminho da Luz

 

*

 

O século XIX desenrolava uma torrente de claridade na face do mundo, encaminhando todos os países para as reformas úteis e preciosas.

As lições sagradas do Espiritismo iam ser ouvidas pela humanidade sofredora. Jesus na sua magnanimidade repartiria o pão sagrado da esperança e da crença com todos os corações.

Allan Kardec, todavia, na sua missão de esclarecimento e consolação, fazia-se acompanhar de uma plêiade de companheiros e colaboradores, Cuja ação regeneradora não se manifestaria tão-somente nos problemas de ordem doutrinaria, mas em todos os departamentos da atividade intelectual do século XIX. A ciência, nessa época, desfere os vôos soberanos que a conduziriam ás época, desfere os vôos soberanos que a conduziriam às culminâncias do século XX. O progresso da arte tipográfica consegue interessar todos os núcleos de trabalho humano, fundando-se bibliotecas circulantes, revistas e jornais numerosos. A facilidade de comunicações, com o telégrafo e as vias férreas, estabelece o intercambio direto dos povos. O laboratório afasta-se definitivamente da sacristia, intensificando as comodidades da civilização. Constrói-se a pilha de coluna, descobre-se a indução magnética, surgem o telefone e o fonógrafo. Aparecem os primeiros sulcos no campo da radiotelegrafia, encontra-se a análise especial e a unidade das energias físicas da Natureza. Estuda-se a teoria atômica e a fisiologia assenta bases definitivas com a anatomia comparada. As artes atestam uma vida nova. A pintura e a musica denunciam elevado sabor de espiritualidade avançada.

A dádiva celestial do intercambio entre o mundo visível e o invisível chegou ao planeta nessa onda de claridades inexprimíveis. Consolador da humanidade, segundo as promessas do Cristo, o Espiritismo vinha esclarecer os homens, preparando-lhes o coração para o perfeito aproveitamento de tantas riquezas do Céu.

Livro A Caminho da Luz

 

A tarefa de Allan Kardec era difícil e complexa. Competia-lhe reorganizar o edifício desmoronado da crença reconduzindo a civilização às suas profundas bases religiosas.

Atenta à missão de concórdia e fraternidade da América o plano invisível localizou ai as primeiras manifestações tangíveis do mundo espiritual, no famoso lugarejo de Hydesville, provocando os mais largos movimentos de opinião. A fagulha das plagas americanas, como partira igualmente delas a consolidação das conquistas democráticas.

A Europa busca ambientar as idéias novas e generosas, que encontram o discípulo no seu posto de oração e vigilância, pronto a atender aos chamamentos do Senhor. Numerosos cooperadores diretos da sua tarefa auxiliam-lhe o esforço sagrado, desdobrando-lhe as sínteses em gloriosos complementos. O orbe, com as suas instituições sociais e políticas, havia atingido um período de grandiosas transformações, que requeriam mais de um século de lutas dolorosas e remissoras, e o Espiritismo seria a essência dessas conquistas novas, reconduzindo os corações ao Evangelho suave do Cristianismo.

Livro A Caminho da Luz

 

*

 

Conta-se que logo após a sua desencarnação, quando o corpo ainda não havia baixado ao Pére-Lacahise para descansar à sombra do dólmen dos seus valorosos antepassados, uma multidão de Espíritos veio saudar o mestre no limiar do sepulcro. Eram antigos homens do povo, seres infelizes que ele havia consolado e redimido com as suas santas expansões afetivas, uma lâmpada maravilhosa caiu do céu sobre a grande assembléia dos humildes, iluminando-a com uma luz que por sua vez, era formada de expressões do seu “Evangelho segundo o Espiritismo”, ao mesmo tempo em que uma voz poderosa e suave dizia do infinito: - “Kardec, regozija-te com a tua obra”! A luz que acendeste com os teus sacrifícios na estrada escura das descrenças humanas vem felicitar-te nos pórtico misteriosos da imortalidade... O mel suave da esperança e da fé que derramaste nos corações sofredores, da Terra, reconduzindo-os para a confiança na minha misericórdia, hoje se entorna em tua própria alma, fortificando-te para a claridade maravilhosa do futuro. No Céu estão guardados todos os prantos que choraste e todos os sacrifícios que empreendeste... Alegra-te no Senhor, pois teus labores não ficaram perdidos. Tua palavra terá uma benção para os infelizes e desafortunados do mundo, e ao influxo de tuas obras a terra conhecerá o Evangelho no seu novo dia!...

Livro Crônico de Além-Túmulo

 

PÉROLAS DO ALÉM, de Emmanuel.

domingo, 4 de dezembro de 2016


ANOTAÇÃO FRATERNA

 



Ouço-te, alma querida, a pergunta frequente:

– “Como vencer tanta barreira à frente?

Tanto empeço ao redor? Tanta prova em caminho?

Tanta pedra a cercar-me? Tanto espinho?

Como entender o lar em conflito constante?

Sinto me qual formiga, enfrentando um gigante,

– O gigante da dor em que me vejo...

Por que lutar assim, se a paz é o meu desejo?!...”

 

Se posso responder-te, apenas digo:

– Não te atormentes, coração amigo,

A vida sobre a Terra é internato na escola.

O sofrimento que te desconsola

Em cada fase vale por ensino

Que te habilite à promoção

A mais alto destino,

Na conquista ideal da perfeição...

Observa contigo a imensa caravana:

 

Os companheiros da família humana...

Não acharás ninguém sem luta e sem problemas...

Esse irmão, rente a nós, caminha nas algemas

Da enfermidade em que se desfigura;

Aquele, a tropeçar na desventura,

Suporta a incompreensão dos seres mais queridos;

Outro exibe nos ombros doloridos,

Embora ocultamente,

A cruz de quem governa muita gente,

Sem que o mundo perceba quanto dói

O fardo que o mantém

Preso ao nobre suor de quem serve e constrói

Para a extensão do bem;

Outros se arrastam carregando

Tribulações em bando:

Filhos em lamentável rebeldia,

Buscando a fuga em marcha estranha e cega,

Voltando ao lar depois pela senda sombria

Do presídio da angústia que os segrega

E amargas provações que surgem de surpresa,

Desânimo, penúria, abandono, tristeza...

Entretanto, alma boa,

Não te revoltes, segue!... Ama, perdoa,

Aceita-te como és e trabalha onde estás...

Obrigação cumprida é o caminho da paz.

 

Sofre e abençoa, chora mas porfia

Aprendendo as lições de cada dia...

 

A existência na Terra é a subida escarpada

E o dever nos recorda o símbolo da cruz;

Segue e agradece a Deus a aspereza da estrada

Que te eleva da sombra à exaltação da luz!...

 

Maria Dolores

 

sábado, 3 de dezembro de 2016


TÓPICOS DAS DIFICULDADES REDENTORAS

 

Espírito Bezerra de Meneses

 

I

Somos de parecer que todos nós devemos prosseguir em nossos estudos, preparando a melhoria do campo de ação funcional, pois, embora o sacrifício que nos custa semelhante preparo, tais serviços de ordem intelectual representam uma fuga e um descanso de nós mesmos, porquanto, há casos, em que o aumento da atividade é o meio de repousar o cérebro quanto aos choques mais íntimos, determinantes de maiores cansaços.

II

O caminho é esse mesmo – lutas por vencer e dificuldades como preço da redenção.

Guardemos, pois, a nossa fé, certos de que as mãos de Jesus estão sobre as nossas.

Confiemos sempre!

III

Embora o coração se nos desfaça no peito, como taça de lágrimas, nas dolorosas circunstâncias em que a renúncia e o nosso carinho são colocados à prova, não esmoreçamos em nossa fé.

Continuemos amorosos e abnegados, ajudando e amando, porque a mão do Senhor é o nosso apoio na dor e na alegria, na paz e na tempestade.

IV

Estamos na atualidade terrena como quem se desvencilha da sombra noturna para clarear o coração na luz de novo dia.

Imprescindível conservarmos a fé viva em Jesus por lâmpada acesa e prosseguirmos adiante.

V

Com relação às nossas dificuldades redentoras, continuemos na aceitação das circunstâncias difíceis, em que presentemente nos achamos, na certeza de que, seguindo as Suas próprias palavras na Revelação Divina, Ele, nosso Amando Jesus, continuará caminhando conosco, em nosso jornadear para a Vida Imperecível.

Confiemos Nele, o Senhor, hoje e sempre.

VI

Deixemos que a serenidade nos garanta a calma precisa.

Nossos corações nunca estão desamparados.

Reanimemo-nos pela segurança de nossa fé viva.

Conservemo-nos firmes no otimismo, amparando a cada um dos nossos, segundo as suas necessidades.

VII

Na estrada redentora, seremos sempre assistidos espiritualmente.

Jesus nunca falha! Busquemos o Senhor, em nossas dificuldades, para que o Seu pensamento em nosso pensamento nos ampare as soluções. Confiemos!

VIII

No círculo do nossas lutas redentoras, continuemos oferecendo o melhor de nós mesmos para que o melhor se faça no auxílio aos que amamos.

A dor é a nossa bênção na luta que é sempre nossa escola.

Confiemos em Jesus, e esperemos por Ele, o nosso Divino Mestre, sempre e sempre.

IX

Confiemos na Proteção Divina e esperemos a manifestação da assistência do Alto pelos canais competentes, por onde transitam os assuntos que se referem à nossa luta redentora.

Dentro de nossos recursos, tudo devemos fazer no sentido de recuperar a tranquilidade de que necessitamos para o desempenho de nossas tarefas. Jesus nos fortaleça e abençoe!

X

Na Redenção Edificante em que se encontram, nossos irmãos permanecem amparados por diversos amigos da espiritualidade, esperando nós que a fé prossiga brilhando como luz nas sombras, na certeza de que as nossas esperanças e abnegações encontrarão com Jesus a vitória almejada.

XI

A luta prossegue, entretanto, a Misericórdia Divina é sempre maior!