quarta-feira, 23 de maio de 2018


I
Provação é sombra necessária.
Meimei


II
Um dia, todas as trevas serão dissipadas, todas as prisões serão abertas, todos os andrajos serão varridos para fora do mundo e todos os gemidos cessarão.
Meimei


III
Somos servos privilegiados com valioso empréstimo de dons sublimes.
Abstenhamo-nos, desse modo, da perda de tempo e ataquemos a tarefa que nos compete atender.
Emmanuel


IV
Afeiçoemo-nos ao Cristo, sentindo-lhe as lições e vivendo-as, convictos de que não haverá melhor mundo sem homens melhores.
Emmanuel


V
Somente o homem verdadeiramente convertido a Jesus adquire suficiente poder para desligar-se dos domínios do "eu", buscando o Reino de Deus.
Emmanuel


VI
Aprendamos a viver para o bem dos outros, a fim de encontrarmos o nosso verdadeiro bem.
Emmanuel


VII
Aceitamos a luz do Evangelho na consciência e no coração, somos, de imediato, promovidos à condição de cooperadores do Divino Pomicultor, no campo imenso da vida.
Emmanuel


VII
Obstáculo é auxilio.
Emmanuel

IX
Todo ser criado simples e ignorante é compelido a lutar pela conquista da razão e, atingindo a razão, entre os homens é compelido igualmente a lutar a fim de burilar-se devidamente.
Emmanuel


X
O mundo, substancialmente considerado, é o Paraíso que jamais se distanciou de nós outros.
Seus característicos de paisagem revelam o éden repleto de árvores, flores e luzes.
Emmanuel


XI
Buscando a luz, não amaldiçoe a sombra.
André Luiz


XII
O bem pede doação total para que se realize no mundo o bem de todos.
Emmanuel


XIII
Serve onde estiveres e como puderes, nos moldes da consciência tranqüila.
Emmanuel


XIV
Ajuda aos que te sustentam a moradia.
Emmanuel


XV
Ampara os que te asseguram o bem-estar.
Emmanuel


XVI
Do escuro menosprezo da Terra, fez Jesus o caminho radiante para os Céus.
Emmanuel




XVII
Se é justo esperar pelo amor que verte sublime do Céu em teu benefício, é preciso derramar esse mesmo amor nas furnas da Terra a que consciências fragmentárias se acolhem, contando contigo para que se eduquem e aperfeiçoem.
Emmanuel


XVIII
Se a tristeza e o desânimo te procuram, acende a lanterna da coragem e resiste ao sopro frio do desalento, prosseguindo no trabalho que a vida te confiou.
Emmanuel


XIX
Trabalha, aprende, ama, crê, espera e auxilia!...
Emmanuel


XX
O discípulo sincero não ignora que é preciso trabalhar por absorver-se na Luz Divina do Espírito e, ao passo que se esforça, está convencido de que o Senhor lhe virá ao encontro, abrindo-lhe o entendimento.
Emmanuel


XXI
Recebamos a experiência, por mais difícil, com a luz da confiança no Senhor que, oferecendo-nos a luta depuradora, possibilita-nos a própria regeneração.
Emmanuel


XXII
A vida não te reclama atitudes sensacionais, gestos impraticáveis, espetáculos de súbita grandeza...
Pede simplesmente sejas sempre melhor para aqueles que te cruzem os passos.
Emmanuel


XXIII
Se te menosprezam ou te injuriam, guarda-te em silêncio no auxilio ao próximo e surpreenderás deus no íntimo de teus mais íntimos pensamentos, prestigiando-te as intenções.
Meimei




XXIV
Sejam quais forem as aflições e problemas que te agitem a estrada, confia em Deus amando e construindo, perdoando e amparando sempre, porque Deus, acima de todas as calamidades e de todas as lágrimas, far-te-á sobreviver, abençoando-te a vida e sustentando-te o coração.
Meimei


XXV
Entrega a aflição de cada dia ao silêncio de cada noite.
Meimei


XXVI
Senhor!
Deste-nos o trabalho por sustento da vida.
Concede-nos, por misericórdia, mais trabalho com que nos dirijamos dentro da segurança precisa para a Vida Maior.
Batuíra


XXVII
Não importa que a ventania da discórdia esteja rugindo em torno de nós. O importante será erguer o coração e as mãos, a palavra e a atitude para construir.


XXVIII
Estorvos à realização de teus ideais te afligirão a senda, contudo, se quiseres servir, atrairás braços inúmeros que estarão contigo, sintonizados no esforço das boas obras.
Emmanuel


XXIX
Ouvirás a consciência sem fugir-lhe às anotações e perceberás, para logo, que é forçoso sanar o erro, entretanto, observarás claramente que ninguém suprime um erro em definitivo sem o clima da compaixão sem a luz do entendimento.
Emmanuel


XXX
A única saída para superar qualquer provação será enfrentá-la com humildade e coragem procurando-se esquecer o mal e seguir o bem, trabalhar e servir com ânimo e decisão, reconhecendo-se que a Divina Providência, amanhã, far-nos-á novo dia.
Emmanuel


XXXI
Diante de quaisquer contratempos, pensa no Bem.
Emmanuel


XXXII
O trabalho estafante...
Será ele a providencia que te habilita à vitória contra o assédio de perturbações que te espreitam a estrada.
Emmanuel


XXXIII
Dificuldade mede eficiência.
Emmanuel


XXXIV
Ofensa avalia a compreensão.
Emmanuel


XXXV
Muitas vezes, a criatura na Terra implora o Socorro Divino, derrubando os apoios humanos que a Divina Providência lhe ergueu no caminho para que lhe sirvam de escora em momento justo.
Emmanuel


XXXVI
Todos no mundo, enquanto envergamos a veste física, possuímos conosco os elementos da regeneração e da cura de que necessitamos para o triunfo na escola da vida.
Emmanuel


XXXVII
"Ajuda-te e Deus te ajudará", ensina a antiga sabedoria, mas, na maioria de nossas petições e requerimentos, é imperioso ajudar aos outros em nome de Deus para que, em nome de Deus, também os outros nos possam auxiliar.
Emmanuel






XXXVIII
Alguém projetou o fel da calúnia sobre o teu nome?
Esquece e caminha.
Muitas vezes, o coração do amigo é ainda frágil e cede ao primeiro impulso da arrasadora ventania do mal.
Emmanuel


XXXIX
A cruz das provações é caminho para o alto.
Mariano José Pereira da Fonseca


XL
Nunca te creias inútil.
Meimei


Bibliografia

Cap. I e II – Palavras do Coração – Meimei – Ed. Céu. São Paulo – 1982
Cap. III – Esperança e Luz – Autores diversos – Ed. CEU. São Paulo – 1993
Cap. IV, V, VI, VII – Perante Jesus – Emmanuel – Ed. IDEAL – São Paulo – 1990
Cap. VIII – Construção do Amor – Emmanuel – Ed. CEU – São Paulo – 1988
Cap. IX, X – Aulas da Vida – Autores diversos – Ed. IDEAL – São Paulo – 1981
Cap. X, XX – Harmonização – Emmanuel – Ed. GEEM – são Paulo – 1990
Cap. XII, XIII, XIV, XV – Livro da Esperança – Emmanuel – Ed. CEC – Uberaba, MG, 1964
Cap. XVI, XVII, XVIII, XIX – Alvorada do Reino – Emmanuel – Ed. IDEAL – São Paulo – 1988
Cap. XXI, XXII – Canais da Vida – Emmanuel – Ed. CEU. São Paulo – 1986
Cap. XXIII, XXIV, XXV, XXVI – Irmãos Unidos – Autores Diversos Ed. GEEN. São Paulo – 1988
Cap. XXVII, XXVIII, XXIX, XXX – Hoje – Emmanuel Ed. CEU. São Paulo – 1984
Cap. XXXI, XXXII – Coragem – Espíritos diversos – Ed. CEC. Uberaba, MG, 1972
Cap. XXXIII, XXXIV, XXXV, XXXVI, XXXVII – Inspiração – Emmanuel – Ed. GEEN, São Paulo – 1978
Cap. XXXVIII – Instrumentos do Tempo – Emmanuel – Ed. GEEN – São Paulo – 1974
Cap. XXXIX – Falando a Terra – Espíritos diversos – Ed. FEB Rio de Janeiro, 1983
Cap. XI – Deus Aguarda – meimei – Ed. GEEM – São Paulo – 1980

ANTOLOGIA DA ESPERANÇA


FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
ESPÍRITOS DIVERSOS


terça-feira, 22 de maio de 2018


A LÍNGUA

ANDRÉ LUIZ

Não obstante pequena e leve, a língua é, indubitavelmente, um dos fatores determinantes no destino das criaturas.

Ponderada – favorece o juízo.

Leviana – descortina a imprudência.

Alegre – espalha otimismo.

Triste – semeia desânimo.

Generosa – abre caminho à elevação.

Maledicente – cava despenhadeiros.

Gentil – provoca o reconhecimento.

Atrevida – atrai o ressentimento.

Serena – produz calma.

Fervorosa – impõe confiança.

Descrente – invoca a frieza.

Bondosa – auxilia sempre.

Descaridosa – fere sem perceber.

Sábia – ensina.

Ignorante – complica.

Nobre – cria o respeito.

Sarcástica – improvisa o desprezo.

Educada – auxilia a todos.

Inconsciente – geral desequilíbrio.

Por isso mesmo, exortava Jesus:

- “Não procures o argueiro nos olhos de teu irmão, quando trazes uma trave nos teus”.

*
A língua é a bússola de nossa alma, enquanto nos demoramos na Terra.

*
Conduzamo-la, na romagem do mundo, para a orientação do Senhor, porque, em verdade, ela é a força que abre as portas do nosso coração às fontes da vida ou às correntes da perturbação e da morte.

Da Obra “Apostilas da Vida” - Espírito: André Luiz - Médium: Francisco Cândido Xavier.

segunda-feira, 21 de maio de 2018


JORNADA

Adelino da Fontoura Chaves*

Fui átomo, vibrando entre as forças do Espaço,
Devorando amplidões, em longa e ansiosa espera...
Partícula, pousei... Encarcerado, eu era
Infusório do mar em montões de sargaço.

Por séculos fui planta em movimento escasso,
Sofri no inverno rude e amei na primavera;
Depois, fui animal, e no instinto da fera
Achei a inteligência e avancei passo a passo...

Guardei por muito tempo a expressão dos gorilas,
Pondo mais fé nas mãos e mais luz nas pupilas,
A lutar e chorar para, então, compreendê-las!...

Agora, homem que sou, pelo Foro Divino,
Vivo de corpo em corpo a forjar o destino
Que me leve a transpor o clarão das estrelas!...

(*) Poeta, contista, teatrólogo. Transferindo-se da Atenas Brasileira para o Rio de Janeiro, cedo percebeu AF que nascera para o jornalismo. Trabalhou com Artur Azevedo na Gazetinha e com Lopes Trovão no Combate, e foi agente, em Paris, da Gazeta da Tarde. Patrono da cadeira nº. 1 da Academia Brasileira de Letras e da cadeira nº. 38 da Academia Maranhense de Letras. Autor de "Beatriz", «Celeste», «Atração e Repulsão» e tantos outros sonetos famosos, «é ele» – assinala Múcio Leão (in Dispersos, pág. 12) – «o caso único de um patrono de Academia que não tem nenhum livro publicado». (Axixá, Maranhão, 80 de Março de 1855 ""' – Lisboa, Portugal, 2 de Maio de 1884.)

domingo, 20 de maio de 2018


Felicidade
Emmanuel

Sábios existem que asseveram não ser a felicidade deste mundo, mas isso não quer dizer que a felicidade não seja do homem.

E sabendo nós outros que há diversos tipos de contentamento na terra, não podemos ignorar que há um júbilo cristão, do qual não será lícito esquecer em tempo algum.

A alegria da mente ignorante que se mergulhou nos despenhadeiros do crime, reside na execução do mal, ao passo que a satisfação do homem esclarecido, jaz no dever bem desempenhado, no coração enobrecido e na reta consciência.

Não olvidemos que se o Reino do Senhor ainda não é deste mundo,nossa alma pode, desde agora, ingressar nesse Divino Reino e aí encontrar a aventura sem mácula do amor vitorioso sob a inspiração do Celeste Amigo.

A felicidade do discípulo de Jesus brilha em toda parte, introduzindo-nos à Benção Maior.

É a benção de auxiliar.
A construção da simpatia fraterna.
A oportunidade de sofrer pela própria santificação.
O ensejo de aprender para progredir na Eternidade.
A riqueza do trabalho.
A alegria de servir, não só com o dinheiro farto ou com a autoridade respeitável de Terra, mas também com o sorriso de entendimento, com o pão da boa vontade ou com o agasalho ao doente e à criança.

Tibério era feliz e desventurado no Palácio de Capri, quando o Divino Mestre era ferido e glorificado na cruz em Jerusalém.

A felicidade, portanto, se ainda não é deste mundo, já pode residir no espírito que realmente a procura na alegria de dar de si mesmo, de sacrificar-se pelo bem comum e de auxiliar a todos, quando Jesus soube, amando e servindo, subir do madeiro sanguinolento aos esplendores da Eterna Ressurreição.

sábado, 19 de maio de 2018

DEUS USA O TEMPO E NÃO A VIOLÊNCIA


Chico visitou durante muitos anos um jovem que tinha o corpo totalmente deformado e que morava num barraco à beira de uma mata. O estado de alienado mental era completo. A mãe deste jovem era também muito doente e o Chico a ajudava a banhá-lo, alimentá-lo e a fazer a limpeza do pequeno cômodo em que morava.

O quadro era tão estarrecedor que, numa de suas visitas em que um grupo de pessoas o acompanhava, um médico perguntou ao Chico:


- Nem mesmo neste caso a eutanásia seria perdoável?


Chico respondeu:


- Não creio doutor. Esse nosso irmão, em sua última encarnação, tinha muito poder. Perseguiu, prejudicou e com torturas desumanas tirou a vida de muitas pessoas. Algumas o perdoaram, outras não e o perseguiram durante toda sua vida. Aguardaram o seu desencarne e, assim que ele deixou o corpo, eles o agarraram e o torturaram de todas as maneiras durante muitos anos. Este corpo disforme e mutilado representa uma bênção para ele. Foi o único jeito que a providência divina encontrou para escondê-lo de seus inimigos. Quanto mais tempo aguentar, melhor será. Com o passar dos anos, muitos de seus inimigos o terão perdoado. Outros terão reencarnado. Aplicar a eutanásia seria devolvê-lo às mãos de seus inimigos para que continuassem a torturá-lo.


- E como resgatará ele seus crimes? – Perguntou o médico.


- O irmão X costumava dizer que Deus usa o tempo e não a violência. - respondeu Chico Xavier.


Casos de Chico Xavier

sexta-feira, 18 de maio de 2018


NA ERA DO ESPÍRITO

 Antonio de CASTRO ALVES 1

 O caos invadira a França,
− Olimpo do pensamento.  
3 O ódio − lobo famulento ,
 Range as presas com furor.
Nas ruas − Paris descansa ;
Em casa − chora em segredo;
Gigante, arrosta, com medo ,
As iras do Imperador.

A Nação encarcerada
Lança em nota clandestina
As safras da guilhotina
E explode: − “ Revolução! ”
 Recorda a Bastilha irada,
Lê Rosseau, à luz da vela,
Esmurra as grades da cela,
Protesta rugindo em vão .

A crença herdada do Cristo
Caíra no sorvedouro
 − Turbilhão de pompa e ouro −,
Dobrada ao tacão dos reis.
Em tormento jamais visto ,
Nos frios templos, o povo
Exorava aos Céus, de novo ,
 24 Novos rumos, novas leis.

A Ciência − clava forte − ,
Contra as cadeias medievais ,
Partia os grilhões das trevas
Em sarcástico festim,
A exprobar de sul a norte,
Por tirana revoltada:
− “Dominemos! Deus é nada! ”
A morte − o portal do fim ! ”

Ninguém na fé militante...
Mavorte, em fúria, galopa
Nos campos de toda a Europa!
Na África − a abjeção!
Na Austrália − o progresso infante!
Na Ásia − o suor dos parias
Rola em bagas milenárias!
Na América − a escravidão!

Mas o Espaço se descerra!
Jesus, no esplendor dos sóis,
Recruta gênios e heróis
A iluminar o porvir.
De pólo a pólo, na Terra,
46 Flamejam etéreas lampas ,
Mensagens brotam das campas ,
Ao toque de ressurgir!

Aos clarões da Imensidade,
Kardec chega e inaugura
A Doutrina viva e pura
Da razão à luz do bem.
O Espírito de Verdade
Semeia Divina Messe,
O Evangelho reaparece
Nas Vozes do Grande Além!

Falam tumbas, dançam mesas,
Nascem livros, surgem almas,
Luzem preces, chovem palmas,
Hosanas aqui e ali!
Consciências dantes presas
Rompem torva cidadela;
Pastor guiando a procela,
Jesus conclama: − “Servi!”

Ante a ribalta terrestre,
O Direito renovado
Deixa, ao tropel do passado,
Distinções de raça e cor!
Em triunfo, volve o Mestre,
E acende na mente humana,
Desde o palácio à choupana,
O facho do Eterno Amor!...

O mundo voga num misto
De infortúnio e de esperança,
Pranteia a sorrir e avança
Nas Bênçãos do Excelso Pai!
Kardec reflete o Cristo;
Desfralda, em bandeira à frente,
O convite permanente:
− “Espíritas, trabalhai!...”

(*) Poeta social que exerceu profunda influência sobre a mocidade acadêmica, “o nosso genuíno poeta condoreiro”, no dizer de Álvaro Lins e Aurélio Buarque de Hollanda (Rot. ,II, Pág. 533), estudou Direito no Recife e em São Paulo, sem, contudo, concluir o curso. É, sem dúvida, um dos mais importantes bardos da América. “A sua musa” − disse-o Rui Barbosa − “não é só a da Natureza e a do Amor: é também, e sobretudo, a do Heroísmo, a do Direito e a da Glória.” (Apud Exposição castro Alves, pág. 339) (Fazenda das cabaceiras, Município de Muritiba, Esta. Da Bahia, 14 de Março de 1847 − Salvador, Bahia, 6 de Julho de 1871.)
BIBLIOGRAFIA: Espumas Flutuantes; Gonzaga ou a Revolução de Minas; A cachoeira de paulo Afonso,etc. PRIMAVERAS

ANTOLOGIA DOS IMMORTAIS FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER